terça-feira, 6 de março de 2012

Resultados do Inquérito Consular - Caracterização dos “Novos chegados” à Suíça

No intuito de melhor conhecer esta nova vaga de nacionais que, todos os dias, vão chegando à Suíça, foi distribuído aos “novos chegados” (aqueles que pela primeira vez se dirigiram a estes serviços consulares) um curto inquérito, de preenchimento facultativo. Da análise dos 527 inquéritos preenchidos ao longo do ano 2011 resulta, no essencial, o seguinte:

São sobretudo jovens, os portugueses que estão a chegar a esta área consular.
Do ponto de vista etário, 41% encontram-se no intervalo entre os 20 e os 30 anos de idade e 43 % estão entre os 30 e 40 anos de idade; apenas 16 % apresentam uma idade superior a 40 anos. Predominam os casados (46%) sobre os solteiros (36%).

De um modo geral, estes “novos chegados” possuem poucas habilitações académicas. Cerca de 35% dizem possuir apenas o 6º ano de escolaridade, situação que é mais comum nos indivíduos com mais idade, mas não lhes é exclusiva, uma vez que, surpreendentemente, muitos dos mais jovens não ultrapassaram essa fasquia. Bom número dos nacionais que aqui chegam apresenta o 9º ano de escolaridade, incluindo-se assim nos 34 % dos que têm habilitações entre o 7º e o 11º ano de escolaridade. A estes acrescem aqueles que concluíram o 12º ano de escolaridade (23%) e aqueles que aqui chegam munidos de uma licenciatura (8%).

Muitos destes nacionais apresentam alguma experiência profissional, essencialmente do domínio do sector fabril, da área da construção, do ramo da hotelaria e restauração. Alguns desenvolveram actividades ligadas á área comercial, ou da esfera dos cuidados de saúde.

Por regra, estes nacionais pretendem obter trabalho na Suíça nos sectores que já conhecem. Estes compatriotas mostram também interesse por todas as áreas onde acreditam possa verificar-se maior empregabilidade (construção, hotelaria, saúde).

A esmagadora maioria daqueles que responderam a este inquérito instalam-se na Suíça pela primeira vez e nunca saíram do país antes para procurar trabalho noutras paragens (mais de 95%); dizem ter o objectivo de permanecer longamente no exterior.